Vítimas acima de 60 anos são as principais nas indenizações do DPVAT

As vítimas acima de 60 anos correspondem a maior parte daqueles que pedem indenização no DPVAT (Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres), segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Conforme os dados da instituição, a terceira idade corresponde 25,5% da população do país.

Por outro lado, nos últimos 10 anos (de 2009 até 2018) o seguro obrigatório chegou a cobrir mais de R$ 201 mil indenizações em acidentes com veículos para vítimas idosas.

No dpvat2019.net é possível obter o passo a passo de como pedir a indenização em cada um dos estados em caso de acidentes de trânsito. Lembrando que é mais fácil solicitar o dinheiro depois de já ter o histórico das contas hospitalares e despesas relacionadas ao acidente, para evitar transtornos posteriores na conquista de um valor maior de indenização.

índices de indenização do DPVAT

As principais causas das indenizações

A principal situação que leva a pedir indenizações é o atropelamento, já que a maioria são atingidos (60% – correspondente a 121.529 pessoas) estavam atravessando a rua ou então na condição de pedestres para que se sucedesse a ocorrência. Em sua maior parte, os automóveis é que foram responsáveis pelo atropelamento e/ou colisões chegando a 49% dos beneficiários do seguro obrigatório administrado pela Seguradora Líder.

Outro problema foi identificado na cobertura: mais de 55% dos idosos que foram indenizados pelo DPVAT no mesmo período ficaram com invalidez permanente, em segundo lugar nos registros, acabaram em morte. Os casos de falecimento, inclusive, registram a maior estatísticas de pagamento do período.

São mais de 55 mil benefícios pagos aos familiares da terceira idade que poderiam receber reembolso, despesas médicas, entre outras situações relacionadas à ocorrência. Ao todo somam o total de 35 mil indenizações.

Entre os estados com maior quantidade de pedidos estão Minas Gerais, Rio Grande do Sul e São Paulo. Enquanto isso, Distrito Federal, Roraima e Amapá são as localidades com as menores estatísticas de indenizações.

A discussão leva a repensar quem é o maior perigo no trânsito: se são os idosos que por conta da idade e limitações acabam se colocando em situações de risco ou se são os motoristas que estão despreparados para lidar com situações em que podem ocorrer os acidentes.

Acidentes com motos estão no segundo lugar do ranking

No segundo lugar do ranking de indenizações estão as motos, com 78 mil benefícios. Os acidentes com ônibus e micro-ônibus, por sua vez, obtiveram mais de 12 mil pagamentos.

Essas situações levam as autoridades e responsabilidades a repensar medidas de conscientização e proteção com o objetivo de reduzir a quantidade de vítimas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *